QUADRO (OLHAR PELA JANELA)

meu amor por ti
é uma rua mansa
onde a lua enorme descansa
e altos carvalhos
choram orvalhos
sobre as casinhas que dormem

um silencioso cais
por onde belos cavalos
levam futuros casais

um porto noturno
onde qualquer infortúnio
jaz reticente ou morto

uma manhã de chuva fina
onde pássaros cantam na neblina
o esplendor de nossa primavera

(uma semente
dentro
da sua semente)

5 respostas

  1. A UM POETAOlavo BilacLonge do estéril turbilhão da rua,Beneditino, escreve! No aconchegoDo claustro, na paciência e no sossego,Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua!Mas que na forma se disfarça o empregoDo esforço; e a trama viva se construaDe tal modo, que a imagem fique nuaRica mas sóbria, como um templo grego.Não se mostre na fábrica o suplícioDo mestre. E, natural, o efeito agrade,Sem lembrar os andaimes do edifício:Porque a Beleza, gêmea da Verdade,Arte pura, inimiga do artifício,É a força e a graça na simplicidade.BILAC, Olavo.In:Poesia.29.ed.Rio de Janeiro,Civilização Brasileira, 1997.p.320.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *