SERENATA

amada,
enquanto brilha Beethoven
e os fios dançam na manhã de postes lá fora
cá dentro, deixa o meu verbo amar
leve como um perfume
tocar a sua pele almiscarada e alva
sem mistério ou enigma
sem promessa ou dívida
num abraço sereno

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *