DIÁRIO

É sábado. No restaurante, não sei se o garçom entregou meu cartão. Na livraria, encontro uma derrota e um não. No Fringe noir cantam do nada, Moulin Rouge para crianças e poetas infantis e sem rimas em ão. E eu estranhamente gosto… Chove.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *