ENTRE HOJE E AMANHÃ (BREVE POROSIDADE TEMPORAL E OSMOSE DIVINATÓRIA)

No limite tênue
do poema pomes
a felicidade

a felicidade
alisa suave
a pele futura

(é tão lisa e grave
a pele futura)

a felicidade
toca leve e quente
contamina quase

a felicidade
última fronteira
desta sexta-feira

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *