O TEMA

No mármore do meu banheiro vejo uma mulher nadando, naves espaciais em batalha, células, mitocôndrias e algo mais. Escritores jamais serão normais. Vejo também que queria fazer um poema sobre tudo menos o tema. O tema. Queria um poema meio como caixa, da altura do céu. Não a caixa dos eletrodomésticos da casa de minha avó, onde eu gostava de fingir morar (e me trancar para tudo fora). Queria um poema em que se coubesse tudo. Em que se soubesse tudo. Como a máquina do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *