METÁFORA

As amendoeiras
enormes
gigantes
calmas
enviam suas sementes
direto e sempre
do alto
pro asfalto.

E apesar de Drummond
do asfalto
não brota
nada…

9 respostas

  1. Essa flor drummondiana só nasceu lá na Rosa do Povo. Tudo me leva a desconfiar que era uma homenagem ao simbolo do socialismo, a rosa ou à Rosa Luxemburgo, uma militante ilustre.Agora não nasce nada no asfalto, no máximo capim em meio aos buracos.Valeu o exercício de metalinguagem.Abs.Ricardo Mainieri

  2. Ígor, foi. Deve ter ajudado na inspiração desse. 🙂 Ricardo, por mais que as amendoeiras insistam, nada nasce mesmo… Talvez alguma poesia apenas. Esse poema do Drummond da rosa nunca me sai da cabeça. Abração e obrigado pela visita, aos dois

  3. Ah… metáforas! Parafraseando: Tendo em vista que lucidez e coerência lógica certos loucos justificam, a si próprios e aos outros, as ideias delirantes, perdi-se para sempre a segura certeza da lucidez da lucidez.Abraços ave rara!Priscila Cáliga

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *