MÉTODO (OU AS INFINDÁVEIS GALINHAS DE ANGOLA)

O fraco
me pede
socorro.

Pena.

Eu mostro
a cura do óbvio
e ele segue
fraco.

Pena. Ovo. Tenho pressa.

Eu cravo
a espada
e recolho
o sangue
em bacia
de prata.

Sem pena,
ofereço ao mundo
o vermelho esferográfico e místico
na esperança vã e líquida
de nascer algo novo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *