SEM RAIVA?!

“O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem.” – João Guimarães Rosa

Nada é tão
como era
então.

(Exceto talvez a paixão…)

Se a raiva passa
o medo
aumenta.

Ela ali inteira
fora da piscina
esperando
pra me lavar a mão
depois da artificial cachoeira
toda de branco
sem marchas, pais, religião
era real?
Era bom?

(Fecharam a água:
peixes morrendo no chão
raso do sonho.)

Ela ali de pé
tão grande
quanto minha ilusão
sentada
na mesa redonda
meu medo branco.

O sonho
o sono
o amor
a ira
a água
acaba
sem motivo
ou aviso.

Apanho
minha mala
branca de dor suportável
e de medo controlável
(sem raiva?!).

Aceito-a.

Olho a estrada.

É feia.

E nunca houve um estrela.

Acordo e ando.

Posts relacionados:

13 respostas

  1. Fabio…profundo e lindo isso…"Apanho minha mala branca de dor suportável e de medo controlável"…Eu ando por aí com uma malinha assim…e quem nunca fez isso?Beijo e ótimo final de semana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *