ARERÊ

Esse momento
no contínuo espaço-tempo
não me basta.

O peito aperta
também por isso.

Porque estou agora
na Mongólia, meditando,
fumando um charuto em Cuba,
pulando Chiclete em Salvador,
com uma amante na Grécia,
baixando a porrada em Gotham,
cantando My Way no carnaval,
vendo um filme de mãos dadas,
e fazendo este poema
e mal.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *