ATRAVÉS DA JANELA (PRATELEIRAS NO QUARTO)

Cheiro de cola
a favela
atrito de pedras sem astros
atrasos e prazos corridos
grunhidos e gritos estrábicos
benditas igrejas malditas
lá fora
lá fora
no meu estômago.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=xu_WEKvyKA0&hl=pt_BR&fs=1&&w=425&h=344]

9 respostas

  1. Achei-te por um desses acasos da vida, mas eis aqui uma clara demonstração de que mesmo o acaso tem as suas razões de acontecer. Teu blog é um lugar desses que mais inspiram, e, respiram um sarau literário. Parabéns! Sigo-te e cá volto mais vezes.Abraço!

  2. Fábio,Sempre li poemas seus, mas só agora descobri que tem um blog.Passo a segui-lo.Seu poema "Delivery" faz especialmente parte do acervo que aprecio….Quanto a este, o cheiro de bala desabandonada e o abandono que não se queria encontrado, é cotidiano caído, estilhaçado aos pés da sociedade "estrábica"…E o Renato a cantar tão longe uma realidade tão perto….Um abraço, poeta….Katyuscia Carvalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *