POESIA CONCRETO

POESIA CONCRETO

poesia-concreto

O concreto do caminhão
mata o mato.

Plantas de todas as regiões
são cada vez mais
concreto e projeto e plano e cálculo.

Árvores moldam prédios
só até o concreto secar
(depois queimam as tábuas).

O homem concreto
carrega consigo numa mala preta e quadrada
pressa, não ser, não saber, não poder e um rumo esquecido.

De quando em quando
cresce, reproduz os pais
e morre na paz de nosso senhor Jesus Cristo.

A poesia verde-sonho
é mais e mais
cinza
e fumaça.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *