AFETOS

Sofro de excessos.

Nada em mim
é pouco
no rio rouco
do risco solto.

(Por isso
rabisco
versos…)

Amo.
Sofro.
Sinto.
Me enfureço.
Demais…

Ideais à parte
agora escolho limites
para me libertar.

Quando tudo é janela
o telhado
é por demais pesado.

6 respostas

  1. Por acaso escreveu esse poema depois de assistir o café filosófico de domingo último: "o que podem os afetos?" SE não, assista!Fantástico! Belíssimo poema!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *