Roteiro da poesia brasileira: Anos 2000 – Fabio Rocha

73564 roteirodapoesiabrasileiracapa

Uma maravilhosa notícia… Que quero dividir com vocês. Especialmente com os amigos poetas que seguem nessa luta, escrevendo, produzindo! Dedico a vocês essa conquista!

Estou entre os 46 poetas selecionados para fazer parte do volume “Anos 2000” da elogiada coleção “Roteiro da Poesia Brasileira”, da Global Editora:

40dfc roteirodapoesiabrasileiraverso

Meus poemas selecionados, do livro “Corte”:

6be33 roteirodapoesiabrasileirapoemas1

(OBS: O poema “E ATENÇÂO:” saiu cortado, sem o final, por alguma falha… Vou colocar ele completo no final.)

09561 roteirodapoesiabrasileirapoemas2

Sei que essa coleção é muito usada por estudantes de Letras país afora, pela qualidade do trabalho. O que me deixa ainda mais orgulhoso. Como vai desde as origens de nossa poesia até os anos 2000, estou ao lado simplesmente de Gregório de Matos, Augusto dos Anjos, Álvares de Azevedo, Olavo Bilac, Drummond, Quintana, Bandeira, Leminski, de basicamente todos os meus Mestres (o que por si só, já me deixa feliz a ponto de poder morrer em paz 🙂 ), e dos poetas contemporâneos abaixo:

d44aa roteirodapoesiabrasileirapoetas

Achei muito bom o trabalho da Global Editora.

OBS.: O poema completo:

E ATENÇÃO:

Devo comer este bife mal passado
tentando esquecer que vai me engordar,
o colesterol ruim,
a vaca louca,
os triglicerídeos,
a vaca louca,
que pode ter cisticercos,
a vaca louca,
o coliforme 157,
ou ainda,
a vaca louca.

Devo mastigar esta alface sem pensar nas planárias,
beber esta água sem sentir o vibrião colérico na garganta.

Devo ignorar este mosquito que me morde – com listrinhas na bunda,
possível portador da dengue tipo 3,
que pode ser mais grave para quem já teve a 2 ou a 1.

Devo inspirar sem sentir o gás carbônico,
piorando o efeito estufa.

Devo parar de suar, no ar condicionado,
sem a culpa de destruir a camada de ozônio.

Devo passar estes dias a esperar o telefone tocar
tentando me convencer de que estou bem,
que estou de férias
e que não estou esperando você ligar.

Apesar de estar em casa,
ajudando a destruir o mundo,
esperando o telefonema sagrado
e absorvendo informações demais.

 

12 respostas

  1. Maravilha, Fabio Rocha! Só merecimento da sua obra e sua labuta. Fico feliz com as asas que crescem e fortalecem.beijo,Fernanda Moraes

  2. Caro poeta…"peguei emprestado" seu poema, adorei..postei-o em meu blog com os devidos créditos.obrigada.espero que não se importe, qquer coisa me fala que eu excluo, tá??obrigada.bjkas no coração uivos de agradecimento.loba

  3. Olá Fábio,Parabéns para você. Na verdade, estamos juntos nessa antologia que faz um recorte bem interessante da produção nacional, principlamente do lirismo presente na nossa poética. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *