VENCER A CHUVA

VENCER A CHUVA

No mar de palavras
nenhuma se ergue

Até que a certa se molda
se aproxima
se espalha
e se repete
em  cada espuma

E repete de novo
e repete
a cada passo
como onda
até molhar o papel

A cada passo
passo
e mastigo

Mariposas mortas
e um mar cinza
insolúvel

A cada passo
venta frio
nos confins da alma

chuva
chuva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *