DESESPERO

Analiso o ar ansioso
que não entra
em meus pulmões.

Não importa
o quanto
eu queira.

Encher a barriga de proteínas
e carboidratos
não resulta em nada.

Esvazio sentimentos
inutilmente
no poema
sem força.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *