INFINDÁVEL

Para Drummond

Meu coração é menor que o mundo.
Muito menor.

O mundo é grande
e cheio de desafios
que não quero vencer.

Meu peito
é cheio
de ansiedade
dor
e ar.

O que me faz andar…
Cheio de falta.

Me falta dinheiro, aliás.

No peito
sobra vazio.

Não tenho meta
mas sou poeta…

Ando
pela praia
pela casa
pela vida
sozinho e manco.

7f900 gaivota2

3 respostas

  1. Quando li os poemas postados recentemente, senti dor. Procurei então algo que talvez pudesse aliviá-lo. Não encontrei em mim palavras, então procurei dentre as de meu poeta preferido. Duas citações, duas pequenas estrofes de dois poemas dele. Creio que, colocadas juntas, mostram uma pergunta, e uma resposta a seu (nosso, ousaria dizer) dilema."Caminhosozinhotodos os diase não chego a acharum alguém, um lugaronde pendurarminha última esperança.""Não tenho metamas sou poeta…"E, ousando citar mais ainda, um poema completo, que creio responder exatamente quem somos, e exatamente o que é que nunca nos falta, nunca nos abandona. Algo que, como diria Nietzsche, justifica a vida."CorteTenho sorte.Ao menos tento forte(mesmo que não acerte)fazer do ócio, arte.O tempo curto – corte.Sem vida – morte."Ja-ne. Somos poetas, e temos a poesia. Esta, exatamente esta, é nossa única verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *