CONSTATO, SEM TATO

Minha poesia morreu.
Resta
eu.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *