PARA O SEOMÁRIO

Menos um poeta azul
nesta noite cinza
que é o mundo.

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *