MANO VELHO

Para não ver
entre o que não sou
e o que acabei não sendo
me distraio em passatempos
enquanto relógios escorrem.

5 respostas

  1. Nossa, obrigado!Linda a rima final do seu "Tragando minha mocidade". Tentei comentar mas não parece estar funcionando no seu blog…Beijos

  2. Fábio, seu poema "Mano Velho" é incomparável…Que beleza de dom esse seu! És insubstituível na arte de emocionar pessoas com pequenas frases…OBRIGADA! Elis Silva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *