POEMA XISTE

Auriverde pendão de minha pressa
onde a bola de couro brilha e não cansa
sigamos sábios serenos maracuginos
a semear granolas transgênicas
e a sonhar com vida mansa…

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *