NÃO-TEMPO

O não-tempo
é tempo de não ser.

Sair pouco
comer pouco
falar pouco.

Tempo de tristeza aberta
em dias ensolarados
e tristeza mansa
em dias fechados…

Um disfarce
do existir
não existindo.

Por onde a última
esperança
já cansou…

E o poema
desistiu.

4 respostas

  1. Gostei muito deste. Aliás, se incomodaria se eu o colocasse em meu blog com os devidos créditos, é claro? Tem a ver com o ser, o tempo, enfim… Ah, temos um ponto em comum: sou amiga da Iaiá. Abraços!

  2. Fabio, coloquei sua criação em meu blog. Dá uma olhada lá, com créditos (respeitando os direitos autorais) e endereço do teu blog, valeu? Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *