CURVAS

Toda a água brava, revolta, agitada
que me amedrontava
agora está
sobre mim
e prazerosamente me mata
e refresca.

Dos infinitos rios
lambendo pedras e limos
descendo montes
cavando terras e sonhos
cismando pastos distantes…

Dos vales de silêncio
e manhãs de sol
bois ensimesmados desconhecidos
ventos do passado…

Dos carinhos
calores
e odores
da casa da vó
onde criei rios
no quintal…

De tantas cores e dores
trajetos, curvas, linhas separadas
o encontro:
amor
azul
o mar.

3 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *