Zeitgest Addendum – Maravilhoso

“Os verdadeiros terroristas do nosso mundo não se encontram no escuro à meia-noite ou gritam “Allah Akbar” antes de um ato violento. Os verdadeiros terroristas usam ternos de 5 mil dólares e trabalham nos mais altos cargos das finanças do governo e das empresas.” (trecho do filme)

Tudo sobre o império estadunidense que aprendemos por alto nas aulas de Geografia e História, ou que comodamente já esquecemos, está aqui, e bem explicadinho…

A dica foi meu amigo poeta Ígor Andrade.

Eu mesmo já havia sentido a vontade de dividir com o mundo este olhar mais filosófico sobre o trabalho, religião, consumo consciente, e também sobre bancos, FMI, banco Mundial, globalização e neoliberalismo (os dois últimos, inclusive convencendo o mundo facilmente de que são “irreversíveis)”. Isto porque nossa maravilhosa imprensa não fala sobre nada disso direito (é de seu interesse omitir – o filme parece que é, inclusive, proibido de ser exibido por aqui, mas para isso temos a internet XD).

Quanto aos bancos e seu malefício à sociedade com os juros abusivos cobrados, eu também já havia falado no site acima, mas o filme vai bem mais além. Aqui no Brasil, inclusive, questionei o Instituto Akatu pelo consumo consciente, por email, ao notar que o banco Itaú estava dentre as organizações reconhecidas por eles como exemplares e nunca obtive resposta.

Um poema antigo que tem tudo a ver com o tema, DELIVERY, aqui.

http://video.google.com/googleplayer.swf?docid=-1459932578939373300&hl=pt-BR&fs=true

P.S.: Leia daqui em diante somente após ver o filme, acho que seria melhor… E sinta-se livre pra comentar, discutir, discordar…

P.S.1: Viva Cuba Libre! 🙂 Não sei como não falaram desse país, prova de que revoluções são possíveis!

P.S.2: O mau-gosto do final imitando Matrix quase consegue estragar a maravilha que é o filme todo.

P.S.3: Das dicas dadas sobre consumo consciente no final do filme, podemos “traduzir” algumas para a realidade brasileira. Sobre a mídia, muito cuidado com as poucas famílias que controlam toda a TV aberta (com sua programação maravilhosa), e mais ainda com a Globo, que, além de TV, tem jornais e rádios (o site é uma porcaria, melhor desconsiderar…) 🙂 Sobre carros, temos aqui o GNV, que polui muito menos. Quanto aos bancos, pela madrugada, se organize para que não fique pagando juros de cheque especial, cartão de crédito, LIS etc.

P.S.4: Se quiser contribuir com o projeto –

P.S.5: A questão da tecnologia como salvação acho complicada. Já vivemos num mundo onde a técnica predomina é supervalorizada em todas as áreas de conhecimento… O problema é que a evolução tecnológica não foi acompanhada por uma evolução social, política, econômica, psicológica…

P.S.6: Pensar também que o homem é naturalmente bom e não competitivo, e que não precisaríamos de nenhuma lei nem de prisões pareceu, pra mim, exagero. Se pensarmos em qualquer espécie animal, o conflito pelo poder está presente. E o homem é desde espermatozóide um ser competitivo… De qualquer forma, do mesmo modo que Platão fez na sua República, pelo menos pensar em algo diferente, alternativo, acho mais que válido.

2 respostas

  1. Fábio, tô besta aqui porque faz menos de uma semana que assisti o primeiro Zeitgest por sugestão de um amigo, Zappa. Mandei meu comentário pra ele, ainda sob impacto do filme e ele acabou publicando o vídeo junto com o meu mail (aqui).Estou saindo, mas na volta com calma vou ver o Addeendum e eventualmente trocamos idéias, ok? bjos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *