AMOR FATI 2 – A REVANCHE

Para Bob Dylan

A dor do dia no apartamento sozinho
me pesa as pernas.

A louça por lavar me olha entre panelas, suspiros e literalidade.

Uma baleia de aço
canta sofrida em algum ponto perto
asfalto.

Ar falta
na ansiedade concentrada
entre o peito e os braços abertos
ansiedade pulsante que se torna
tempestade crescente
Beethoven
e então
letra e palavra…

Palavra escrita
pela voz não dita
voz não dita no apartamento que me aperta o dia
agita antes de usar
aperta e pulsa e uso
relógio no pulso pulsando a vida passando em medidas exatas
entra as minhas asas fechadas e a nostalgia do que não faço
matemático.

Mas algo me mostra que
apesar de tudo e de nada
o momento é perfeito
o momento formado por todas essas partes do todo caótico
e a gaita de Bob Dylan
e a baleia indefinível em algum lugar por perto
algum lugar por certo que não se pode ver pela janela
(tiros ao longe, tiros dos jornais de amanhã)
a solidão da plenitude…

Nada poderia ser diferente no dia
na minha vida
no mundo
ou no universo
pelo bem desta canção.

(Este poema interrompeu o belo, louco e longo filme “Não estou lá”, sobre Bob Dylan, passando agora no Telecine Cult.)

2 respostas

  1. “relógio no pulso pulsando a vida passando em medidas exatasentra as minhas asas fechadas e a nostalgia do que não faço…” Que verso lindo! Ansioso, enjaulado e lindo! Belo poema. Bem “Amor fati”. Beijos meus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *