ALÉM DO CINZA

Resisto e crio.

Escolho palavras arbitrariamente
sem motivo claro
que a noite é negra.

Sim, é verdade
isso não dá dinheiro
não acalma como Deus.
(E não tenho Bacharelado em poesia, inclusive, senhor Juiz de cartão amarelo.)

Poesia enloucresce, inclusive…
Assusta amigos mudos, pássaros de chão
e traz a tona mares inexistentes mas tão enormes…

Mas não me pergunte sobre ganhos e perdas de tempo, fama ou dinheiro.
Não me pergunte sobre contas e números e planos!
Engenharia só encontrou a poesia raramente em João Cabral…

A noite é negra.
Assim sendo,
o que mais poderia eu fazer?

—-

OBS: Participando do projeto “À Luz da Leitura”, recebi esta maravilha de interpretação do próprio Paulo, do meu poema “ALÉM DO CINZA”.

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *