NOITE ALTA

Lá fora
um trovão
aqui dentro

7 respostas

  1. EXCELENTE! PASSANDO AQUI, RETRIBUINDO SEU COMENTÁRIO NO MEU BLOG. ESTOU COLOCANDO ALGUNS POEMASW ANTIGOS LÁ. QUANDO DIGO “ANTIGOS”… É ALGO QUE JÁ SE FOI, MAS QUE POR SER PASSADO, MESMO ASSIM FAZ PARTE DA EXISTÊNCIA. SAI UM LIVRO NOVO MEU AGORA EM DEZEMBRO. OUTRA FASE. SE PUDER, APAREÇA. LIVRARIA PREFÁCIO, 19H, 4 DE DEZEMBRO, EM BOTAFOGO (VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA, 39, AO LADO DO ESPAÇO DE CINEMA). LIVRO: DESCONEXOS. ABRAÇO.

  2. Belo porque ambíguo, ambíguo pois verdadeiro. Gostei demais dos textos A montanha, Ira, Vento forte,Destino, e Gêmea estupidez. Que capacidade de síntese tens, hein? Eu por meu turno, faço textos mais longos, teria q me exercitar muito para chegar essa síntese verbal q tens, parabéns. Ñ localizei como acompanhar este blog, por isso vou acompanhar o outro: Da busca. Um abraço.

  3. Obrigado, Marcelino! Pois é, aqui eu coloco apenas meus poeminhas mais sintéticos. Você leu bastante aqui, hein… 🙂 Quanto a opção de acompanhar o blog, coloquei ela agora, obrigado pelo aviso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *