CINZA

olhar a vida
de dentro
da casa
vazia

um menino sorria
persianas fechadas

2 respostas

  1. Acabo de perder um ente querido :'(Senti particularmente este poema… e, hoje, se me permites esse menino sou eu (com esperança no olhar por entre as persianas fechadas, na casa de quem já não está)

  2. Ô, Alexandra querida, meus sentimentos… Mas calma que os entes queridos sempre carregamos conosco, mesmo se tudo que vemos agora são persianas cinzas. Beijos no coração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *