Consumo Consciente – Não jogue óleo de cozinha usado na pia!

Não jogue óleo de cozinha usado na pia!

Pense várias vezes antes de jogar fora

Resíduos que normalmente vão para o lixo são fontes de energia baratas e menos poluentes

Diogo Dantas

Rio – Responda rápido: o que você faz com o óleo usado para fritar aquele ovo delicioso? Se você lembrou que descarta na pia o resíduo utilizado pode se considerar um grande colaborador dos problemas com o meio ambiente e até das mudanças climáticas em curso. O óleo de cozinha e outros dejetos que aparentemente não teriam nenhuma forma de reutilização podem ser utilizados como fontes de energia na criação do biodiesel.

De acordo com Vinícius Fagundes, pesquisador da Coope, outros rejeitos além do óleo de cozinha podem servir de matéria-prima para produzir o combustível. “Óleo de peixe, Gordura de galinha, gordura de esgoto, grassa suína, sebo bovino e qualquer outro material poluidor que teria como destino o aterro sanitário pode ser utilizado”, enumera.

O pesquisador lembra que ao descartar o óleo de cozinha na pia de casa, a tubulação é entupida porque a substância ao esfriar se une a outros contaminantes e engrossa. Fagundes alerta que caso a quantidade de eliminação seja muito alta em determinada rua, o óleo pode entupir a rede pública de esgoto. “Com isso as bombas de esgoto têm que fazer mais força, e o bueiro acaba vazando”.

Quem nunca viu a rua alagada sem uma gota de chuva caindo. Pois é. A consciência de acumular o produto não dá o menor trabalho. Basta juntar o resíduo após usá-lo na cozinha em uma garrafa PET. Depois de encher algumas, é só ligar para alguma cooperativa que recolha o óleo(Veja o serviço ao final do texto). Ou pode vender o que acumular em casa para uma distribuidora que mistura o diesel com o biodiesel. O litro está custando cerca de R$ 0,60.

Vantagem econômica

Ainda há outra vantagem em fabricar o biodiesel a partir das substâncias mais repugnantes a um primeiro olhar. O combustível possui características lubrificantes, polui menos, já que não leva ácido sulfúrico, e não contribui para agravar o efeito estufa e o aumento da temperatura do planeta. A decomposição do óleo de cozinha emite metano na atmosfera, um dos principais gases que causam o efeito estufa. O óleo muitas vezes vai para o ralo da pia e acaba chegando no oceano pelas redes de esgoto. ” Se for criado mercado para isso, vai haver mais incentivo”, reforça Vinícius Fagundes.

Um engenheiro panamenho afirmou nesta sexta-feira que utilizou sem problemas o biodiesel criado a partir de óleo de cozinha. Com 75% de óleo usado e 25% de diesel para encher o tanque de sua caminhonete, o mecânico do engenheiro avaliou que o veículo funciona sem problema. O combustível alternativo pode ser usado em qualquer medida junto ao diesel feito a partir de petróleo. Mas o governo regulamenta o uso obrigatório de 2% de biodiesel misturado ao diesel comum.

Segundo o pesquisador da Coope, o Brasil tem a capacidade de produzir 700 bilhões de litros de biodiesel por ano, quase equivalente ao consumo mundial. ” O único problema é monopolizar essa produção, para não gerar conflitos e disputas políticas como acontece no oriente Médio com o petróleo”. ressalta.

Consumidor consciente deve pensar prevenção

A consultora do instituto Akatu para o Consumo Consciente, Maluh Barciotte, enfatiza que, ao consumir, não notamos o que foi explorado como matéria -prima de determinado produto, por isso é necessária uma consciência que dê mais valor á prevenção.

“Historicamente a mudança foi muito rápida. Em 1960, toda a população humana, que era uns 3 bilhões de pessoas, consumia 50 % da capacidade de regeneração dos recursos da Terra. De lá para cá, hoje a gente consome 30% a mais que a capacidade de regeneração do planeta. Seriam necessários mais três planetas se todos consumissem como os americanos”, alerta.

A especialista diz que para que a nossa relação com o meio ambiente se modifique, é necessário pensar sempre na prevenção, e usa o exemplo do plano de saúde para explicar como deve-se fazer. ” Eu não posso pagar um plano de saúde esperando um câncer aos 40 anos. Tenho que prevenir, me alimentar bem, fazer exercícios”.

Para que haja essa consciência, Maluh destaca o papel das escolas, que, segundo ela, estão deixando a desejar. “Nós apreendemos através da prática, e as escolas ainda se baseiam na palavra para ensinar as coisas. Falamos de poupar a água e a criança vê um monte de pia vazando. Fala-se de boa alimentação e as cantinas vendem grandes porcarias. Então temos que olhar as causas, não ficar fazendo demagogia”.

Quiosques coletarão óleo de cozinha para reciclagem

Na última sexta-feira, dia primeiro, os quiosques do Leme e de Copacabana passaram a coletar o óleo utilizado em frituras e cozimentos, proveniente do preparo de alimentos para os freqüentadores. A coleta será realizada uma vez por semana e os quiosqueiros receberão R$0,50 por cada litro do material. Para realizar o trabalho, a concessionária Orla Rio firmou uma parceria com a empresa M.B.R. Comércio de Materiais Recicláveis, que está distribuindo tonéis com capacidade de 50 litros para cada unidade.

“A expectativa é que em 15 dias todos os 309 quiosques da orla estejam com os tonéis e que sejam recolhidos, inicialmente, entre 5 e 10 mil litros de óleo por mês. Toda a produção será destinada à fabricação de sabão”, afirmou João Marcello Barreto, vice presidente da Orla Rio.

Uma frota de 30 veículos fará o recolhimento do óleo. A M.B.R. Comércio de Materiais Recicláveis conta com o apoio de cerca de 85 funcionários e possui uma central em Caxias, onde o óleo recolhido passa por um processo de decantação para, depois, ser vendido na forma de sabão. Por mês, são recolhidos, em média, 450 mil litros de resíduos pela M.B.R.

“É importante que o quiosqueiro tenha alguns cuidados, como não despejar o óleo quente nos recipientes plásticos, e evitar que elementos sólidos sejam descartados junto ao óleo”, alertou o diretor da empresa, Maurício Braga Rocha.

Receita para fazer sabão a partir do óleo de cozinha

Material

5 litros de óleo de cozinha usado
2 litros de água 200 ml de amaciante
1 kg de soda cáustica em escama
Preparo
Coloque a soda em escamas no fundo de um balde cuidadosamente
Coloque, com cuidado, a água fervendo
Mexa até diluir todas as escamas da soda
Adicione o óleo e mexa
Adicione o amaciante e mexa novamente
Jogue a mistura numa fôrma e espere secar
Corte o sabão em barras
ATENÇÃO: A soda cáustica pode causar queimaduras na pele. O ideal é usar luvas e utensílios de madeira ou plástico para preparar a mistura.

Disque Óleo: (21) 22603326 ou 78279446. contato@disqueoleo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *