PORTO INSEGURO

Na luta tardia
contra os dias iguais
crio e quebro rituais
de etérea monotonia.

Uma resposta

  1. estive pensando sobre quebrar a monotonia durante a semana que passou e tenho suspeitado que não precisamos fazer nada, absolutamente nada, para quebra-la. Basta aproximar os olhos. Ver de perto. Nada está parado, tudo se move, tudo está em ininterrupta dinâmica. Não existe tédio diante de um olhar atento… Preciso postar sobre isso, mas não saiu ainda…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *