PERNAS ENTRE A MEMÓRIA E A IMAGINAÇÃO

Pra que te quero
pernas
se permite-se
não querer-me?

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *