REFLEXOS DA ALMA NO TEMPO

Sol e vento
chuva ontem
céu à noite

a tarde
ata e arde.

5 respostas

  1. Caro Amigo Fábio,Gostei muito de tua presença. Do que falastes sobre meus poemas.Os teus são maravilhosos. Daí, eu haver te pedido, como referência boa, que me dissesse algo em torno dos meus.Eu também sou compositor se quiseres ouvir uma música minha, acessas o Youtube e procuras por Naeno.Quero mais de você, conselhos, dicas porque a poeisa me fascina desde menino. Se tens alguma sugestão prá mim neste momento adorarei.Um beijo na pele do teu coraçãoNaeno

  2. Vê se gostas dessa.RIODistando das chuvas em altura e caminhoO rio vai sumindo lentamente.Um borbulhar de sumidouros enfunilando as águas,Infiltrando-se nas areias, essas não passam.Passam tempos a fio, um fio tênue,Que resiste a pá de areia que se jogaE torna molhar, mas se largando,Qual defunto exposto e some,E só se vê barro e só se conta flores.Vai o rio agora num destino raro,O de correr, como menino, encontrar a mãe.Vai ele agora ao encontro do pai,Que o sol puxou para sim, de gás.Longe dos olhares, e os quereres longe,De quem viu as bordas rasparem a rua,O leito expõe-se como caminho abertoSó seus sentidos são assim, desertos.As chuvas passam sombras nos contornos,E ainda azul, a miragem, em seus olhos,Julgam talvez, em guardarem água,Que aquele rio vai contornando o sul.Um abraçãodo irmãoNAENO

  3. Naeno, Acho o mais importante sempre é você mesmo gostar da sua poesia… Mas também curti e viajei junto com seu belo rio! Só achei que no último verso faltou um fechamento melhor, talvez. Abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *