INVERSO

(Para Fellipe Cosme)

Vejo olhos de serpente
vigiando meus versos mortos
sinto o pó das pontes certas
onde não passei
e de toda a infinidade que não sei
uno-me, agora, ao teu verso
que não finalizei:

“Alguém
me empresta
um desejo?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *