OUVINDO YANNI

Para Alexandra

Deixo o trem passar
cheio de gentes e barulhos e pernas e relógios e desânimos

salto

para a música da vida.

2 respostas

  1. “Para Alexandra”:…………sem palavras…………..(Apenas sentindo: profunda alegria, emoção e agradecimento)Perfeita escolha “Ouvindo Yanni” com o “para a música da vida”!Adoro os constantes “…e…e…e…e…” que dão a real noção de saturação, culminando precisamente em “desânimos”. E mais ainda, gosto da escolha minuciosa da palavra “relógios”: de facto, dá que pensar como a nossa vida pode ser -ou é- conduzida/comandada por um simples objecto, transcendendo assim a nossa própria vontade.O “salto” é brutal como verso único – distante (tal como o olhar que deixa “o trem passar”) – separado dos outros versos e bem no meio do poema: “salto”, a perfeita imagem da escolha inevitável e imprescindível, diria até… vital, entre a agitação ou a calma (entre a perturbação ou a paz, o caos ou a serenidade, a prisão ou a liberdade …)Ou… mais profundamente ainda, a escolha:entre os outros ou a si mesmo;entre a realidade ou o sonho;entre a morte ou a vida!Atendendo ao título do poema, pessoalmente, ocorre-me sugerir a audição de «Until the last Moment»: um verdadeiro hino à vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *