ONDE ESTÁ O QUE PROCURAVA?

Algo em mim
quer ver meu extrato bancário
enquanto faço este poema.

Algo de algas, método e medo
que nada e nada e nada sabe do todo
nada sente do todo.

Todo esse que arde
na outra parte
(a que respira, GRITA e vive).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *