FOLHA BRANCA

Nasce leve
a palavra
(e muda)
penso, logo insisto
podo as inutilidades
mordo os excessos de eu
limo os cantos
e tento voltar tudo
para o centro
para o céu do poema
para o principal
para o alvo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *