ANTI-BUDISTA

Eu queria muito
muitas vezes
fazer só poemas muito bonzinhos
visando o bem geral do todo
e a harmonia plena do universo…

Mas não é sempre.

(Diga ao povo que minto.)

Às vezes, poema
é uma atividade mórbida
de transmover dentes e raivas e garras
redemoinhos de plexos solares borbulhantes
de dias inteiros de desprazer total
em palavras.

Para que te firam, não a mim.

(Post Scriptum: Dane-se o todo!)

Uma resposta

  1. adimiro-te sem conhecer-teseria isto possível?me encontrei em alguns versos teuse me encontrarei mais à frenteem versos novos, teus também.Ana Pérola Pacheco

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *